Aula 2

 

 

Na aula 1 você resolveu os problemas que ocorrem ANTES de começar o rascunho, certo?

Agora, você já está decidido(a) sobre o que irá escrever, quer dizer, a redação já está até na sua mente (se não estiver, nem pense em começar a escrever!)

Então é o momento de iniciar o rascunho.

Lembre-se sempre de que dissertar significa dar uma posição pessoal sobre um assunto e explicar por que pensa dessa forma. É o que você faz conversando com colegas! Então... não é nada novo, concorda? 

Em TODAS as redações dissertativas que você fizer no vestibular você estará dando sua posição sobre algo e explicando-a. Não invente nada fora desse esquema, por favor!

Sua posição sobre o assunto chama-se tese, lembra-se? E suas explicações chamam-se argumentos, ok?

 

A tese será o embrião da introdução. Ela normalmente fica no primeiro parágrafo, portanto. E ela já está pronta, você não completou aquela frase da aula 1?! É aquela mesmo!

 

Os argumentos formarão o "recheio" da sua redação. Eles não podem estar junto da tese, ok? Cada argumento pode ser um parágrafo ou você pode usar um argumento só para o texto todo! Isso varia muito - afinal redação não é ciência exata. O jeito de explicar sua tese é todo seu, você decide tudo, você escolhe, nem pense em regras nessa hora. Lembre-se de como você se explica na conversa com seus colegas - é aquilo mesmo. 

 

Perguntas que você vai me fazer já já:

    1. Mas como eu posso dar minha posição sobre o assunto se eu aprendi que não devo usar a primeira pessoa, não devo dizer "eu"!

    R: Aprendeu errado. Acostume-se a questionar seus professores! Já ouvi falar de professores que impedem os alunos de usar gerúndio! Já ouvi falar de professores que dizem não existir a expressão "por causa". Há absurdos incalculáveis em cursinhos e colégios!  Mas vamos lá: usar a primeira pessoa NÃO desclassifica ninguém em vestibular nenhum. Se você não consegue mesmo usar a primeira pessoa, então você está bloqueado. Você até pode ir para a prova desse jeito, e pode até conseguir passar sem usar a primeira pessoa, mas... se te exigirem a primeira pessoa... não sei o que você vai fazer da sua vida. Estou dizendo isso porque é frequente os vestibulares pedirem ao candidato detalhes sobre a experiência dele em algum aspecto, ou sobre como foi um aspecto da vida dele. Como seria possível responder sem usar a primeira pessoa?! 

 

    Bem... se você ainda acha melhor obedecer as proibições que andou ouvindo, não há problema, elimine a primeira pessoa, mas não sua opinião!

        Por exemplo:

        "Eu penso que a liberação das drogas seria uma solução inadequada para o problema do tráfico no Brasil".

                se transformaria em 

        "A liberação das drogas seria uma solução inadequada para o problema do tráfico no Brasil".

 

    2. E se eu não tiver opinião? Posso ficar "em cima do muro"?

    R: Pode sim, ninguém tem que ter opinião sobre tudo - é outro mito que precisa ser destruído! Isso sem falar que nós temos liberdade para mudarmos de opinião quando quisermos, não temos? No caso de você não conseguir se posicionar claramente, sua redação vai mostrar ao corretor exatamente por que é difícil se posicionar! Mostre a ele o que está dificultando sua decisão!

 

    3. E se o corretor não aceitar meus argumentos ou minha opinião?

    R: Opinião é algo pessoal, não é questão de alguém aceitar ou não. Não se preocupe. Se ele pensar em aceitar ou não as centenas de opiniões que vai ler, vai acabar louquinho... Quanto aos argumentos, eles indicam com perfeição sua maturidade e seu nível de informação. Quando você era pequeno (tinha maturidade infantil) seus argumentos eram "porque sim" ou "porque não".

    Ler muito não garante escrever bem! Ajuda muito, mas há vários fatores aí no meio do caminho... Há muitos alunos que escrevem bem e não leem muito! Agora... infelizmente não há como conseguir melhorar sua argumentação em pouco tempo se você nunca foi do tipo que se interessa em saber o que se passa no mundo, ou em assistir a debates... Mas o importante é que você escreva seu texto como se estivesse falando com outra pessoa - diga exatamente o que você diria! Escreva como você fala! Tenho certeza que você saberia como falar direitinho, pessoalmente,  com um professor desconhecido que iria corrigir seu texto... não saberia?

    

    4. Quantos parágrafos é bom fazer numa redação? 5? 4?

    R:Quantos você quiser. Ninguém vai ler seu texto para contar parágrafos. Você aprendeu bobagens de novo...

 

Como melhorar a argumentação

Vou dar uma mãozinha para você!

Aqui vão sugestões que têm dado muito certo com meus alunos:

  • Leia revistas e jornais DE QUALIDADE. Sugiro as revistas "Caros Amigos", a "Carta Capital", ou a "Piauí", mas há outras semelhantes nas bancas, nas unidades do Sesc e nas bibliotecas públicas (de São Paulo). Quanto aos jornais, procure os cadernos específicos em jornais de domingo (nas grandes cidades), nos quais você encontrará críticas e discussões sobre assuntos atuais usando um vocabulário muito elaborado!
  • Assista a programas de debates. Esqueça os telejornais mais populares - os programas de debate trazem, além da informação pura e simples, as opiniões de gente de áreas diferentes. As tevês Câmara e Senado, a Futura, e a Educativa de cada estado contêm esses debates. Não tenha vergonha de tomar como sua a opinião de alguém - todos nós fazemos isso! Se a sua escola/cursinho promove debates assista a eles! Não faz mal se você não quiser falar, apenas ouça.
  • Procure se aproximar de gente que tem assuntos elevados, que raciocina, que levanta temas sobre os quais você nem sabe o que dizer ainda. Comece a se distanciar de conversas superficiais.

 

Orientações gerais

O corretor só estará procurando em sua introdução a tese. Não adianta "enrolar" para deixar a introdução maior, porque ele só quer encontrar a tese mesmo!

Se você não informar sua tese no primeiro parágrafo isso não significa  que você perderá pontos (exceção para a Fuvest). Apenas terá menos espaço (linhas) para explicar sua tese, quando ela aparecer. Dependendo de quantas linhas você tiver, aí sim, isso poderá ser um problema pra você. 

Há alunos que preferem criar os argumentos e depois pensar na tese! Não tem problema, o corretor não vai saber por onde você começou!

 

Vamos terminando por aqui. E  envie-me suas redações !

Clique aqui para escolher outra aula grátis